Como escrever histórias que envolvam Transtornos Mentais

Já se foi o tempo em que todos os personagens de nossas histórias eram intocáveis e irreais, com vidas plenas e cercada apenas por medos externos. Hoje, mais do que nunca, precisamos criar histórias que façam com que os leitores não apenas se distraiam, mas gravem lições que farão a diferença em suas vidas e nas dos que estão ao seu redor.

Nossos personagens precisam ser reais, com conflitos que afligem, e muito, a atualidade. O medo, as dúvidas e as lutas nunca estiveram tão perto: dentro de nós. É por isso que precisamos de falar sobre os Transtornos, e hoje, você aprenderá a escrever sobre eles com responsabilidade.

 

Quanto mais pesquisa, melhor

Pesquisar é a palavra chave de qualquer escritor e quando o assunto é tão delicado, precisa de dobrada atenção. Quando for descrever como um personagem se sente ao lidar com aquele transtorno mental, procure matérias com depoimentos de pessoas que passaram por algo similar, leia sobre os sintomas e até sobre o tratamento. Ajude seu leitor a realmente conhecer o que ele está lendo.

 

Não romantize transtornos mentais

Essa é uma tendência que precisa ser revista no mundo literário. A romantização acontece quando o autor tenta deixar a impressão de que o transtorno pode ser facilmente resolvido, como em um passe de mágica. Um clichê básico é contar como alguém em profunda depressão se ‘curou’ quando conheceu o amor da sua vida. Não é bem assim que se resolve. É claro que o amor, principalmente da família, pode ajudar – e muito – a pessoa que está enfrentando o problema. Mas é importante mostrar que essas pessoas precisam de cuidados médicos como precisariam se fosse outro tipo de doença. Mostre que transtornos devem ser tratados.

 

Conte sobre o transtorno, mas não só sobre ele

O seu personagem pode ter um transtorno, mas ele não é um transtorno. Então, mostre outros elementos que compõe aquele personagem: sua rotina, seus gostos, suas características. Mostre dias comuns, atividades habituais. Mesmo que abordar o transtorno seja seu foco principal na trama, não permita que seja o único foco.

Essas são algumas dicas básicas que vão te ajudar a construir um enredo envolvente e real!

Lembre-se que a Antologia Perdido em mim, organizada pela autora Rafaela Perensin está recebendo contos e crônicas. Será um livro incrível que abordará as mais diversas histórias sobre transtornos mentais. Você pode ser autor de uma delas! Clique aqui e conheça os detalhes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *